quinta-feira, 10 de julho de 2008

Alimentação manual

Em muitos casos, temos que nos colocar no lugar dos progenitores, por necessidade ou por opção.
Algumas das causas para que tal aconteça:
Mães demasiadas agarradas ao ninho, o que leva a não alimentar os filhos, recebem o alimento dos machos, mas como não saem do ninho, não dão oportunidade aos filhos pedirem comida. Estes morrem à fome.
As fêmeas ficam demasiado fracas, durante o tempo que estão a chocar, devido alimentação insuficiente, o que pode levar a um enfraquecimento e posterior doença (faca ou outra associada) e morte. Em muitos dos casos os machos acabam por criar os filhotes.
Se estes forem muito pequeninos a morte dos filhotes acontece em pouco tempo.
Outro dos casos, é por morte acidental de ambos os progenitores, quando encontramos um passarinho que tenha caído do seu ninho para a rua ou jardim é intuitivo e instintivo pensar que somos capazes de o criar à mão para depois o soltarmos. Isto acontece na maior parte com fauna selvagem (pardal, verdelhão, andorinha, melro) entre outros.
Estes são alguns dos motivos que podem levar a uma pessoas ou um criador a ter que criar ou acabar o trabalho dos pais verdadeiros.
Quando o fazemos por opção, como no caso dos criadores dos psitacídeos e outro tipo de aves (araras, catatuas, papagaios, caturras e pequenos periquitos), aves de rapina (águias, falcões e abutres), ou os populares melros, pegas e corvos à que ter alguma atenção a determinados pormenores respeitantes à sua criação à MÃO.

Os pássaros recém-nascidos são muito sensíveis ficam sujeitos a desenvolver algumas doenças do aparelho digestivo. Em caso de regurgitação, vómito, perda de peso e crescimento anormalmente lento e apatia é porque algo de anormal esta a acontecer.
Algumas das causas para os sintomas que acabei de referir são: descontrolo da temperatura, qualidade dos alimentos, má escolha do alimento, má escolha dos instrumentos para alimentar, frequência das papadas, má administração dos alimentos e más condições de alojamento das aves (temperatura e a humidade) nas incubadoras.
Alguns conselhos para alimentar as aves bebés. Deve sempre optar por procurar alguma informação sobre o tipo de alimento a adquirir.
Não se deve alimentar as crias antes de ser absorvido o resto do saco de gema com que as crias nascem e possibilita a sua subsistência nas primeiras 24 horas, em dias muito quente pode-se dar umas gotas de água tépida ou soro de um iogurte também tépido. Este procedimento visa a hidratação dos “bebés”.

A primeira alimentação deve de uma papa muito fina e líquida de modo a proporcionar um “mamar” fluido. As primeiras “papadas” não devem ser exageradas, deve ser o passarinho que escolhe a quantidade de alimento que o mesmo necessita. Não esquecer a temperatura.
Os alimentos líquidos devem ser aquecidos até aos 39⁰C, os alimentos muitos quentes podem provocar queimaduras da boca e traqueia, se é muito fria pode provocar a rejeição das papas e outros alimentos.

A quantidade papa deve estar sujeita a uma pequena regra; nunca se deve administrar alimento em excesso, este deve ser calculado com base na massa corporal das aves (aproximadamente 10%), em caso de se utilizar uma sonda, a quantidade pode ser aumentada, devendo adequar o alimento ao crescimento dos filhotes. Só se deve repetir as papadas quando o papo estiver completamente vazio.
Frequência das papadas/alimentação.
Esta depende da idade e consistência do alimento e método de alimentação. Alimentos mais líquidos, na primeira semana de vida, é aconselhável dar comida com intervalos de 2 horas (não rígido), vai-se adequando posteriormente a consistência da papa/alimento ao tempo que a aves leva a digerir o mesmo, o seu intervalo vai aumentando para 4 a 5 horas, em alguns casos é o papo da ave que serve de referência. Quando observamos que o papo este vazio, é hora de voltar a dar comida/papada. As aves “bebés” podem passar 7 horas sem alimentos (horas nocturnas), as aves têm que dormir.
Alguns instrumentos para alimentação das aves, podem variar muito de criador para criador, já tenho visto tampinhas de uma caneta, pequenos palitos, pequenos pedaços de cana, colheres ligeiramente transformadas, há no entanto produtos específicos para a alimentação a mão, por exemplo: seringas com vários calibres, sondas, agulhas próprias, etc.
Atenção, as papas aquecidas no microondas, se não forem controladas podem provocar queimadura graves da boca e da traqueia, e em caso da alimentação ser feita por sonda, pode provocar queimaduras do papo. Pois o microondas aquece os alimentos de dentro para fora ou da interior para o exterior.

5 comentários:

O Melrão disse...

Apanhei um filhote de melro num jardim e comprei ração de canário para alimentá-lo.Gostava de saber se esta é a solução apropriada, e com que frequência devo alimentá-lo?
Aceitam-se outras dicas.
Obg

milena disse...

boa tarde!!!!

encontrei um bebe de passaro,nao sei a raça ,ele é bem pequeno e nao tem penas,apenas a cor preta de onde ja tem as penas dentro da pele!(asas,costas e rabinho),estou dando pao,banana e ovo cozido!!nao sei o q fazer ,e nao sei se esta certo!! a noite ligo uma luz proximo dele ,so pra deixar morna a temperatura perto dele!! vcs poderiam em dar uma ajuda! temperatura,comida etc?desde ja obrigada!!!!

obs: estou apaixonada por aquele bebe minusculo,mas cheio de garra!!! mande para o email: milenafrey@hotmail.com

mah disse...

Olá ... olha encontrei 3 passaros recenasido no meu quintal .
eles são muitos pequenos nem tem penas ainda,
comecei dar biscoito de sal molhado.
porfavor poderia me ajudar q tipo de alimento eu poderia dar a eles
pois não quero ser responsavel pela morte dessas criaturas lindas.
envia a resposta para marcela201029@hotmail.com OBRIGADA!

Ana Oliveira disse...

Ola apanhei um passarinho ainda bebe no meu quintal...não sei o que dar de comer nem que condições ele necessita para sobreviver...se alguém nos poder ajudar =)

ana.r.n.oliveira@hotmail.com

Patricia Rocha disse...

Dei demasiada comida ao meu pássaro bebé e ele esta sonolento e com o papi muito grande o que devo fazer? estou bastante preocupada