sexta-feira, 1 de março de 2013

Entre amigos com José Luís Santos

 - José Luís Santos
  - Mail - jlcsantos@sapo.pt - 
  - Tlm - 914775055
  - Associado da A.O.C.

O meu nome é José Luís Santos, tenho 40 anos, sou casado, pai de um casal de filhos e sou um apaixonado pela vida selvagem.

Sou associado da Associação Ornitológica de Coimbra, com o stam 420-J.
Sempre tive alguns passaritos (canários, periquitos,etc) desde a minha adolescência.

Porém no outono de 2006 um familiar meu apresentou-me (primeiro em fotos no seu computador portátil e depois na sua própria casa) as suas criações: quase exclusivamente pequenos exóticos.
Ao ver os primeiros Diamantes de Gould fiquei sem palavras. A sua beleza atraiu-me de tal forma que daí para cá são, por assim dizer, e com as devidas diferenças, a minha droga: não passo sem eles, sofro quando não os vejo (em férias, por exemplo), são eles que me acalmam, que me ajudam a esquecer os problemas da vida real.
Além dos Gould a minha paixão são, sem dúvida, os outros exóticos. 
Crio mandarins gigantes, bengalins, diamantes estrela, bichinovs, bavettes, diamante papagaios, tarimbares, tricolores e diamante mascarados e degolados.
Mas sem dúvida os gould são "a minha guerra".Sou um criador modesto (pelo menos comparativamente a alguns que tenho visto), crio com cerca de 70 gaiolas individuais a grande maioria delas feitas por mim.
 Tenho ainda 7 voadeiras (4+3) sobrepostas verticalmente.
 De início nem tudo correu bem, sobretudo com os gould: a experiência era pouca e, sendo esta espécie particularmente frágil, estive quase a desistir, tal era a mortalidade.
Mas com muito gosto e alguma persistência lá fui evoluindo.
O primeiro ano que levei aves a concurso foi há três anos. Não tendo ainda qualquer experiência, sobretudo na escolha das aves, não foi difícil de prever que não classifiquei qualquer ave.
Ao segundo ano, e depois de ter investido na melhoria de sangues dos Gould consegui tirar 1 primeiro prémio e algumas aves a roçar o mínimo de pontos para classificar.
Finalmente na última Expoaves-A.O.C. (Coimbra) consegui 4 primeiros prémios e dois segundos.
 Nesta última Expo cheguei a uma conclusão interessante: como sabemos os exóticos podem concorrer 2 anos, ao contrário dos canários em que o mesmo pássaro só pode concorrer 1 ano. 

Decidi então levar a concurso o meu Gould que houvera ganho no ano passado. Resultado: subiu a pontuação em relação ao ano anterior e um dos parâmetros de avaliação que subiu foi o da côr.

 O Gould é uma ave muito frágil. É atacada por doenças, sobretudo intestinais como salmoneloses ou coccidioses, pelo que devemos estar muito atentos aos sintomas assim que apareçam e actuar o quanto antes.
A higienização e ventilação das instalações é sempre um ponto a ter em conta, diria mesmo que é a medida mais importante para combater a mortalidade entre os Gould. Cuidado também com o excesso de humidade do ar; estas aves toleram melhor as baixas temperaturas do que a elevada humidade relativa do ar. Neste campo costumo usar um desumidificador, procurando que a humidade atinja no máximo 80%.
Faço também a climatização e a iluminação artificiais das instalações. Todos sabemos que com baixas temperaturas as fêmeas ficam contraídas e não pôem ovos. 
Para remediar o caso utilizo um aquecedor a óleo que comando com um relógio automático, procurando manter as temperaturas entre os 15º e os 20º. Quanto ao aumento do período de iluminação é essencial para que os pais possam alimentar as crias durante mais tempo.
Crio os exóticos na maioria dos casos com amas (bengalins), mas quando não tenho bengalins disponíveis deixo ficar os ovos no próprios pais e, diz-me a experiência, que essa história de as aves ficarem maiores e mais resistentes com os pais verdadeiros é uma treta; para mim não há diferença.
Preso muito os conselhos de alguns criadores amigos e de outros que vou conhecendo e também faço alguma investigação na inter-net.
Deixo um conselho a todos os "bloguers" e criadores: Neste ramo não tenha nada como um dado adquirido. O que hoje é verdade amanhã é mentira. Experimente, invente, pesquise, acima de tudo divirta-se.

Um abraço ao meu amigo Osvaldo Sereno que é, sem dúvida, um amante da passarada mas sobretudo um fotógrafo enorme.

Texto : José Luís
Fotografia e edição: Osvaldo Sereno - Birdsblog
Muito Obrigado pelo almoço e pela possibilidades que me destes de fotografar as tuas magnificas aves, boa sorte.

1 comentário:

João Fernandes disse...

Muito bom artigo. Continue com o bom trabalho. Havemos de trocar sangues. Joao Fernandes da Madeira