quinta-feira, 22 de maio de 2008

União da Ornitologia Nacional

Caros amigos e criadores, venho por este meio informar que tal como na selecção nacional de futebol (a união faz uma grande equipa), também na ornitologia procuramos o mesmo.

Num país tão pequeno não faz sentido haver mais de uma federação ou associação nacional.



"... Pensamos ser este o desejo não de todos, mas de uma grande maioria dos nossos criadores associativos.

Não pretendemos criar por isso mais nenhuma federação, antes pelo contrário, seria o nosso objectivo e motivo de alegria a fusão de todas elas numa só federação, seja qual for o seu nome. Criando depois várias associações regionais.

O nosso objectivo é colocar os dirigentes federativos sentados na mesma mesa a discutir seriamente o assunto.

Grandes são os Homens que sabem fazer sacrifícios para o bem de todos ..."

Participa

http://federacaounica.avespt.com/

Periquito Cabeça Ameixa



Frutacores

Se algum dia lhe chamarem cabeça de ameixa, não se sinta ofendido, pois estará a ser alvo de um cumprimento. O mesmo que, um dia, George Smith, dispensou a uma elegante e colorida ave asiática que cruzou o seu caminho. Sobre ela terá dito, então: “é da cor da mais perfeita ameixa”.
Eles, elas e a cor de ameixa
Falamos das ameixas vermelhas, pois é de um bordeaux irrepreensível a cor das penas da cabeça deste periquito. Característica que apenas contempla os machos, tal como a marca vermelha nas asas, sendo cinzenta a cabeça das fêmeas. Destas e dos jovens machos antes de estes atingirem a maturidade sexual — que, neles, acontece por volta dos três anos de idade, e, nelas, por volta dos 15 meses —, o que torna difícil a distinção sexual, antes da idade adulta. Se não quer ser enganado, o melhor é adquirir o seu Cabeça de Ameixa num bom viveiro para que não acabe com um casal, mas de machos.
Posso ver o menu?
O Periquito Cabeça de Ameixa ( Psittacula cyanocephala), oriundo do Nepal, Índia, Butão e Paquistão, chega a ultrapassar os 30 centímetros. É uma ave sociável e dócil, muito fácil de 'domesticar', fazendo-a, por exemplo, comer à mão. Em estado selvagem têm hábitos nómadas. Sendo monogâmicas, vivem aos pares ou em pequenos bandos de cerca de uma dúzia de indivíduos. Se nos seus planos inclui o desejo de os procriar, é indicado que os mantenha aos pares. Pertencem a uma animada família, palradora, mesmo quando voam e, até, barulhenta. Alimente-as com alpista, aveia, milho, mas não esqueça a fruta (figos, kiwi, maçã, laranja) nem os legumes, caso do repolho.
Vaidade a quanto obrigas
O Cabeça de Ameixa tem noção da sua beleza e não deixa certos cuidados em mãos alheias. O próprio cuida da sua plumagem, levantando a cauda a cada movimento, para que esta não sofra danos ao roçar no poleiro ou outro obstáculo do caminho. O seu próprio canto, melódico, honra todo este quadro geral de beleza, que a todos encanta durante as cerca de duas a três décadas de vida desta ave colorida.
Fonte revista e site: http://www.instinto.pt/site/

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Gaiola de Canto/ Canário

video

Bricolagem - faça você mesmo

Esquema de construção / passo a passo
Gaiola de canto/canário
22cmx13cmx23cm
Madeiras: base 0,5cm
Laterais e topos 1cm
Ripinhas de madeira quadradas, medida de 1cmx1cm
Medidas: Base 22cmx13cmx0,5cm
Altura 23cm
Laterais ( direita /esquerda 20cm5.8cm
(A) topo esquerdo 13cm5,8cm
(B) topo direito 13cm4,8cm
Atenção que o topo (B) é mais curto para no final da construção possibilitar espaço para a colocar um mini tabuleiro ou papel, para proteger o fundo e facilitar a sua limpeza.
Arame zincado 0,8mm, cortado com 25cm
Cana de bambu de
Pinos finos para madeira e cola branca
Verniz para madeira /brilhante ou mate

Espaçamento entre buracos deve ser de 1cm e a profundidade dos mesmos deve ser também de 1cm.
Para que tudo fique mais perfeito, tente encontrar o meio da padeira para depois fazer as marcações dos furos.
Está operação deve ser feita apenas de um dos lados das laterais e topos.
Atenção que as laterais trabalham por dentro dos topos.

A Broca para a furação 0,8mm servirá para fazer o caminho aos arames.
Depois de estarem furadas as madeiras , passamos a colagem da base ,as laterais e os topos com pregos finos para madeira e cola branca.
Atenção que o topo (B) não deve ficar colado a base da gaiola, este deve ficar com espaço para o tabuleiro.
O bocados do arame de 25cm seriam metidos um de cada vez, possibilitando a formação de uma pequena grade.

Enquanto a base seca, faça a furação nas ripas (do meio da gaiola) que vão servir de sustentação aos arames, o procedimento deve ser igual 1cm de espaço entre furos, aqui é conveniente ter o furador bem na vertical para que os furos fiquem todos direitos.
A broca 0,8 mm deve trespassar por completo a ripinha.
Atenção que as ripas superiores /cimo são furadas duas vezes, a segunda furação deve ficar a meio da primeira para que a madeira não perca toda a sua resistência.

Distancia da base a primeiras ripinhas é de 11,5cm, já a ripinha do cimo da gaiola deve ser colocada a 11,5 cm da primeira ripinha.

A porta deve ser furada só na ripinha do cimo, ver o porquê na fotografia anterior e a seguinte em baixo, assim ficara a entender melhor o funcionamento da mesma.

Com um alicate de pontas redondas cortamos as pontas do arame á medida e fazemos o remate do mesmo em olhal.
No fim deve passar com um pouco de super cola em todos os arames que prendem a base ao resto da gaiola.
Finalize com verniz, proporciona um melhor acabamento e ao mesmo tempo protege a madeira.

Promenor da abertura da porta mais visivel nestas fotos finais

sábado, 10 de maio de 2008

Notícias - Bird watching




Agricultores e ambientalistas promovem turismo de observação de aves.

A Confederação dos Agricultores Portugueses (CAP) e a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) vão promover serviços de turismo ornitológico (observação de aves) associados à gastronomia e património natural e cultural.

Esta área de turismo temático, baseada na observação de aves no seu meio natural, tem grande expressão no Reino Unido, Estados Unidos, Escandinávia e Suíça, mas não tem sido explorada em Portugal, pelo que a CAP e a SPEA vão celebrar quarta-feira um protocolo com vista a desenvolver esta actividade.

O projecto vai ter a duração de 13 meses e pretende cativar turistas para a observação das cerca de 300 espécies de aves que ocorrem em Portugal.

Muitas destas espécies têm uma distribuição muito restrita na Europa e no mundo, tornando-se atractivas para os visitantes estrangeiros, sublinham as duas organizações num comunicado.

O turismo ornitológico, também conhecido como "Birdwatching", vai ser desenvolvido através de uma série de acções como o levantamento da oferta "ornitológica", acções de formação para guias, um seminário sobre o tema, criação de itinerários e pacotes turísticos.

Nos EUA existem 19 milhões de "birdwatchers" e no Reino Unido cerca de 2,8 milhões. Milhares de amantes desta forma de lazer visitam países em todo o mundo para observar aves que não existem nos seus países de origem, actividade designada como turismo ornitológico.

Fonte: http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=223389&visual=26
Fotos : Osvaldo Sereno

Livros e revistas - Garden Birds

Livro em destaque "Garden Birds"

Este é um livro da editora “A Quantum Book” e o seu autor é Mike Everett.
Escrito em Inglês, tem 160 páginas, com fotos e desenhos, aborda vários temas nomeadamente como atrair as aves silvestres ao nosso jardim, está dividido por temas:


-Introdução.
-O jardim para aves.
-Porque se constrói um jardim para atrair aves.
-Comedouros e tipos de comida.
-Ninhos apropriados para aves.
-Informação especifica sobre mais de 100 aves de jardim.
-Pequena agenda com nomes de entidades ligadas a ornitologia.

Depois de dar uma vista de olhos, comecei ler e a gostar da maneira como o mesmo aborda os diversos temos, neste livro poderemos encontrar: tipo de árvores e arbustos que devemos plantar no nosso jardim com vista a atrair as aves, como construir uma lago para as aves beberem água, ainda neste capitulo poderemos observar outros objectos a não utilizar de modo a evitar a morte das aves silvestres, também podemos ver como proteger as aves dos predadores caseiros (gatos), mais a frente vamos ter algumas páginas com pequenos conselhos aos amantes da natureza de modo a ajudar as aves nos Invernos mais rigorosos.

O livro contempla um pequeno artigo sobre tipos de alimentos a utilizar, misturas e pequenos comedouros feitos de coisas recicladas, algumas páginas dedicadas à bricolagem (ensina a confeccionar diversos ninhos e comedouros para colocar no nosso jardim) uma das partes mais interessantes é a que se dedica a descrever as aves (família e nome), a descrição física (plumagem, bico e patas), sua alimentação, país onde são comuns, tipos de alimentador a colocar no jardim, ninho apropriado para a época de nidificação e tamanho, terminando com uma pequena agenda com associações e órgãos oficiais ligados à ornitologia.
Para quem gosta de observar aves (bird watching) e também gosta de jardins e até tem algum jeitinho para bricolagem este livro é optomo.

terça-feira, 6 de maio de 2008

Identificação Precoce dos Filhotes

CONTINUAÇÃO:

Exemplares Lipocromicos de Olhos Vermelhos (Albinos, Lutinos e Rubinos) – tudo que foi dito para os filhotes de olhos pretos, valem para os filhotes de olhos vermelhos. Afinal esta é a única diferença entre eles.
Nos Canários Melânicos
Os canários melânicos são aqueles que, além de possuírem o lipocromo amarelo ou vermelho, também possuem o pigmento chamado eumelanina, que pode ser negro ou marrom (definição NÃO ortodoxa).
Observações – Na identificação precoce do sexo dos filhotes deste grupo, valerão todas as dicas dadas anteriormente com ralação ao lipocromo e ao nevadismo. Assim o lipocromo será mais importante nos machos e as fêmeas terão a quantidade de nevadismo maior.
Vejamos agora outras informações mais específicas.
Exemplares onde a feomelanina é indesejável (Verde, Azul, Agata, Canela, Isabelino, Asas-Cinzas, Acetinado, Opalino, Topázio, etc.)



Nestes exemplares (intensos, nevados ou mosaicos) as fêmeas possuem ou (quase sempre) a presença de feomelanina mais evidente que os machos, pois esta sempre associada ao hormônio feminilizante (progesterona). A feomelanina, quando se faz presente nos machos, é sempre em muito pouca quantidade. Daí a diferença! Na mesma ninhada esta identificação é relativamente fácil: as fêmeas possuem mais feomelanina que seus irmãos machos.
Obs. A feomelanina é um pigmento marrom fosco que se deposita preferencialmente nas bordas das penas, podendo sua presença ser notada no dorso dos canários e entre as estrias.
Exemplares onde a feomelanina é desejável (Canela Pastel e Feo) – Nestes exemplares, também identificamos fêmeas por possuírem maior quantidade de feomelanina que os machos, facilitando-nos a identificação do sexo, ou seja, as fêmeas portadoras tem maior carga feomelânica que os machos.
III – Identificação do Sexo por Conhecimento Genético
É sabido que algumas cores são geneticamente ligadas ao sexo. Evitaremos entrar em detalhes técnicos a respeito desta informação, limitando-nos a informar seus nomes. São elas: Verde, Canela, Agata, Isabel, Marfim, Pastel, Asas-Cinza e Acetinado.
Obs. Os canários da linha clara de olhos vermelhos (Albino, Lutino, Rubino), são na realidade, Acetinados – Logo, quando um exemplar é portador de Albino, Lutino ou Rubino, na realidade é portador de Acetinado e não de Ino como a nomeclatura nos influência a acreditar. São, portanto, cores sexo ligados.
Sabendo isto fica mais fácil identificar o sexo do filhote ainda no ninho, logo que se emplumarem. Vamos discutir alguns acasalamentos como por exemplo:
1. Pai Vermelho Marfim com mãe Vermelha – Todos os filhotes Marfins serão fêmeas e todos os filhotes Vermelhos serão machos (Não poderia nascer machos Marfins)
2. Pai Vermelho portador de Marfim e mãe Vermelha – Todos os filhotes Marfins serão fêmeas e os filhotes Vermelhos poderão ser machos ou fêmeas.
3. Pai Vermelho portador de Marfim e mãe Vermelho Marfim – deste acasalamento não conseguiremos identificar precocemente o sexo dos filhotes nascidos, pois os machos e fêmeas poderão tanto ser Vermelhos com os Vermelhos Marfins.
4. Pai Vermelho e mãe Vermelho Marfim – neste caso também não conseguiremos identificar o sexo dos filhotes, pois todos os machos ou fêmeas serão vermelhos.
Vamos a outro Grupo
A- Pai Albino com mãe Branca – todos os filhotes que nascerem com olhos vermelhos ( albinos ) serão fêmeas, e todos os filhotes que nascerem com olhos pretos ( Brancos ) serão machos, não podem nascer machos Albinos . Notou a semelhança com o Caso 1.
B- Pai Branco portador de Albino com mãe Branca – Todos os filhotes que nascerem Albinos serão fêmeas, e os filhotes Brancos serão machos ou fêmeas. Semelhante do Caso 2.
C- Pai Branco portador de Albino com mãe Albina – Deste acasalamento não conseguimos identificar precocemente o sexo dos filhotes nascidos, pois filhotes machos e fêmeas poderão tanto ser Brancos como Albinos Semelhante ao Caso 3.
D- Pai Branco com mãe Albina – neste caso também não conseguiremos fazer a identificação do sexo dos filhotes pois todos eles, machos ou fêmeas, serão Brancos. Semelhante ao Caso 4.
Fonte: http://canariosreis.no.sapo.pt/ e publicado com a autorização do Sr. José Reis
fotos : Osvaldo Sereno.